Simples

 

O amor é uma instância que ninguém pode parar, mesmo quando a distância não nos deixa perceber de onde ele está vindo, quem está nos conduzindo, quem irá nos proteger.
O amor é a abundância, mas é tão particular, seu contorno e circunstância são difíceis de falar.
Aparece diferente através de tanta gente  que na hora de amar são apenas o que são e nada mais, e nem sabem quando estão fazendo a paz, no universo de um corpo, na história de uma vida, numa voz que se refaz.

PAPO RETO

1 - O que é chegar lá se já estamos aqui?

 

2 - Então eu fiz um trato com o silêncio. 

Éramos só nós aquele dia.

Contaria tudo, tudo ele diria

Coisas que ninguém mais sabia.

 

3- Quando a vida estiver dando todos os sinais

de que pode te partir ao meio

não lute contra ela ou contra você. 

Leia outro assunto, respire outro ar,

tome banho, tome tempo.

Seja como a água, seja como o vento,

queime o que não serve sem desesperança.

O coração enrijecido quebra,

o coração amolecido dança.

SAGRADO MASCULINO

2016...mas vale pra qualquer dia após ter nascido esse ângulo. ;-) 

Seu endereço é um adereço
no meu recomeço
que eu não me esqueço.
Daquele tropeço
passou o espesso a se diluir
no tempo travesso.
Eu não esqueço pois foi pelo avesso
que me reencontrei e me pesquisei,
só porque eu mereço.
O mundo eu mereço.
Limpo eu mereço.
Sujo eu mereço.
Tudo eu mereço.
E pelo espaço em que hoje amoleço,
por tanta verdade em que não enlouqueço,
pelo objeto que foste no berço
de tanto crescer com que ainda me cresço, eu só te agradeço!
Só agradeço, com tanto apreço
dum amor sem nome e uma dor
sem fome que eu mal reconheço.
Só porque eu mereço,
porque me apareço,
porque ti pareço,
porque não tem preço
saber que esclareço em mim
tanta graça com esse viver, 
te conviver, me absorver,
tanto do ser, tanto da massa!
Só te agradeço e enalteço o
meu coração menos couraça
que ofereço hoje pra mim,
hoje pro não, hoje pro sim,
pra ameaça,
hoje no bom ou no ruim,
pra sua raça. 

EMOÇÃO

Porque não adianta fugir...  ;-)

Você me evita, não adianta. 
Sou inerente, inevitável, vazo da tampa. 
Você me evita e não tem jeito,
olha pra mim e me rejeita como um defeito. 
Eu pulso viva em qualquer tempo, 
você se esforça pra me ver morta. 
Não adianta, sou inerente, bato na porta.
Ou, se me ama, nunca me deixa.
Parto, transformo, você me chama,
me reconstrói, quase me beija. 
Quando me adora e não me larga
depois se afoga, às vezes dopa, depois amarga.
Sou a tortura quando prisão,
sou a loucura quando paixão,
ainda assim você segura meu movimento.
E me deturpa junto ao prazer
e me usurpa de te dizer, 
até não ver que eu carrego conhecimento. 
E se entope das minhas gotas
e se esvazia em partes ocas,
e acredita que opero longe do pensamento.

SUCESSO


Essa foi na virada, 2017/2018. Adoro. Pra mim é isso mesmo. Sucesso pra gente!

Não está no outro, não está.
Não está lá fora, não está.
Não está tão longe, não está.

Está no incômodo que o mundo causará,
mas não é do mundo de outrem,
não está no fundo de ninguém
que não em você e nunca estará.

Não está preso ao imaterial,
não é o sonho à parte do real,
não se escraviza em face do ideal.

Está na coragem de se olhar e reagir,
de se perguntar a cada instante sobre si.
Onde está de fato o querer?
Onde está o vácuo no viver?
O que não é seu e quem és tu, o Ser?

Dezembro de 2017. Música que é poema, poema que nasceu música....

 

A delicadeza é uma destreza
que nem todos sabem distinguir.
Cobrará seu preço,
dará recomeço
para o coração que insistir
na doçura.
A bravura de amar na sutileza
é a cura pro vagar que a tristeza
impele
e a alma infere a si.

A delicadeza pode viver presa
sem que a gente saiba perceber.
Pulsa na metade para que a verdade
segure no medo de perder
a doçura
não garante ao amor toda a firmeza.
O amor está acima da beleza pura,
a feiúra deve entrar

quando a dor quiser guardar
o que há pra se mostrar.

Toda Voz Importa <3!

Nos dias em que a gente corre
atrás do próprio lastro
e alguma coisa morre
porque o nosso mastro se perdeu,

ou o astro de outra constelação
avisa ao nosso chão
que a luz deixou um rastro
e a gente se esqueceu de acompanhar

aquilo que já esteve dentro -
a bússula que prometia portas -
são dias de querer que o tempo
retorne em manobras tortas.

Mas passa o tempo certeiro,
um trem clamando atenção.
É a dor latejando no veio
que exige uma direção,

opção simples e pura,
que mesmo obscura, exporta.
Pra fora é a voz que cura,
segura do que transporta

pra frente, pra solução
que toda limpeza aporta.
Dizer nossa imensidão,
porque toda voz importa.