O incessante ser pulsante

Nunca sem sentir você,

mesmo quando eu mentir por nós.

Nunca te desenganando de mim.

mesmo quando você sumir por nós.

Sempre te dizendo sim,

sim também nos dias que forem de não.

Sempre te dizendo em mim, sem te disfarçar o sumo,

ou embelezar o rumo, ou envernizar o ser.

Sem a paz que a gente guarda, de nos darmos as mãos,

não consinto, não insisto, não enxergo a consistência.

Eu te levo, você me guia, eu te penso, você me eleva,

eu te pressinto e você me entrega o nosso formato grão.

Nunca trair você, nuca a dor de não te reconhecer,

o sempre da história, a luz do sempre, o eu coração.